Sem humor, perdemos o senso de realidade

Por Michele Müller

Por fugir do óbvio e apresentar novas e surpreendentes formas de interpretar um determinado tópico, o humor é uma expressão de criatividade. Como define o neurocientista Rex Jung, “o humor, por definição, é socialmente relevante e inesperado”.

Esse ato criativo tão fundamentalmente humano é nossa solução para enfrentar com mais leveza a consciência muitas vezes dolorida e temível da nossa condição de falíveis, limitados e mortais.

Sobre o humor como uma espécie de compensação ao fato de termos recebido o poder de perceber nossas falhas, Virgínia Woolf elabora, no ensaio O Valor do Riso (1905):

“O riso preserva o nosso senso de proporção; lembra-nos sempre que somos apenas humanos; que não há homem que seja herói completo ou inteiramente um vilão. Tão logo nos esquecemos de rir, veremos as coisas fora de proporção e perdemos nosso senso de realidade”.

 

John Marshall, 1819

A relação indissociável entre o cômico e o trágico foi abordada por Hermann Hesse em diversos ensaios. Em Die Nürnberger Reise (1926), ele coloca:

“Escrevam sobre o que quiserem, os assuntos e temas são para os humoristas apenas um pretexto. Na verdade, a matéria de todos é uma só: a incrível miséria e vulnerabilidade da vida humana e o eterno espanto diante do fato de que esta vida tão desgraçada seja, não obstante, tão bela e divertida”.

Leia também:

Virginia Woolf sobre a relação mente-corpo

Virginia Woolf contra rigidez e conformismo

Michele Müller

27 setembro 2017

Contra a rigidez e o conformismo

“Eu me contradigo? Pois bem, então me contradigo. Sou amplo, contenho múltiplas dimensões”, escreveu Walt Whitman em um de seus mais aclamados poemas. Virgínia Woolf também nos coloca

Michele Müller

24 agosto 2017

O conforto de ser compreendido

Sentir-se compreendido é diferente de se sentir respeitado. Respeito está entre os deveres, entre o que deve ser aprendido, ensinado e exercitado pela autoridade racional que controla as

Powered by tnbstudio