A ilusão do recomeço

Por Michele Müller

O escritor Jonathan Fields, autor do projeto Good Life e de livros na área de desenvolvimento humano, faz uma excelente abordagem à importância de, ao invés de procurarmos satisfação no novo, trabalharmos o aperfeiçoamento das relações conquistadas. Isso implica na avaliação do próprio comportamento e no exercício da tolerância e da paciência – virtudes que se tornam urgentes na era da comunicação virtual.

Harry Clarke, The Year´s at the Spring

Na companhia dos nossos smartphones, somos tentados a priorizar novidades sobre comprometimento e constantemente lembrados de que a realização pessoal está na quantidade e não na profundidade dos relacionamentos.

“A maioria de nós tende a encontrar justificativas para abandonar aquilo que causa desapontamento e começar do zero ao invés de passar pelo incômodo de tentar mudar a natureza das circunstâncias. Isso vale para trabalhos, saúde e relacionamentos. Pensamos que a solução mágica é recomeçar. E quase sempre que fazemos isso encontramos o mesmo padrão se repetindo, pois somos a mesma pessoa. Parte do problema pode estar relacionado à circunstância em si, mas outra sólida contribuição vem de quem somos ou como nos colocamos nesse cenário. E se não mudarmos isso, o padrão nunca irá mudar”.

Jonathan Fields em entrevista a Eric Zimmer

veja também: https://michelemuller.com.br/amizade-e-tolerancia/

 

Uma Resposta para “A ilusão do recomeço”

  1. Denise Mello

    Traduziu o que por muito tempo foi o meu procedimento diário de vida. Santa maturidade….bendito Deus….rica psicologia (bem aplicada)! O problema geralmente “está em” ou somos nós . E a tal da área, zona de conforto? É muito difícil abandoná-la. Como disse o escritor nas entrelinhas: a chave é a mudança de padrão. Tratar de nossos porões, do que há de mais escondido em nossa alma, é dolorido, indelicado, mas produzirá um bem imensurável ao final. Bom dia!

Michele Müller

28 fevereiro 2017

A fragilidade das certezas

Herman Hesse escreveu, sobre o bom leitor: “ele sabe que para cada verdade há um oposto que também é verdade. Sabe que cada ponto de vista intelectual é

Michele Müller

22 março 2018

Escreve-se não para explicar, mas para entender

O ato de escrever permite, ao mesmo tempo, a comunicação das infinitas narrativas construídas pela consciência e o acesso a esses mundos interiores. Nesse diálogo consigo mesmo e

Powered by tnbstudio