O conforto de ser compreendido

Por Michele Müller

Sentir-se compreendido é diferente de se sentir respeitado. Respeito está entre os deveres, entre o que deve ser aprendido, ensinado e exercitado pela autoridade racional que controla as reações. A compreensão não se impõe: surge das estruturas geralmente escondidas nas profundidades do inconsciente; da disposição de se desprender dos conceitos e definições que moldam o ego enquanto se oferece ao outro, de forma generosa, tempo e atenção.

Identificar aquele que compreende é também uma capacidade que escapa das análises do intelecto. Exige, da mesma forma, tempo, atenção e entrega: só nos sentimos compreendidos quando nos mostramos por inteiro, sem o desgaste de sustentar o que planejamos ser. Nos sentimos compreendidos quando temos a coragem de revelar as fraquezas para descobrir que, refletidas no outro, elas parecem menores e menos estranhas.

O respeito oferece o suporte social necessário para sermos livres. Mas só a compreensão, encontrada nesses espaços entre nosso ideal e nossas falhas, nos recolhe da solidão, possibilitando conexões mais gratificantes. E solidão não significa estar sozinho – uma condição fundamental para se chegar ao nível de introspecção necessário para o autoconhecimento e capacidade de sustentar relacionamentos saudáveis. Significa não se sentir compreendido, não pertencer, estar desconectado de um mundo visto a partir de uma perspectiva em que ele se apresenta pouco acolhedor.

Essa solidão pode ser necessária em uma certa dose, para que nos fique evidente a necessidade de aprimorarmos as relações. Mas pode ser também a fonte dos estados depressivos mais devastadores e de diversos problemas de saúde. Segundo pesquisa recente publicada no Perspectives on Psychological Science, o isolamento social, seja real ou percebido subjetivamente, aumenta em 29% a chance de mortalidade precoce. A distorção da realidade provocada pelo isolamento nos leva a interpretar muitas reações alheias como rejeição, o que torna difícil a quebra desse ciclo.

Mas se nos permitirmos correr riscos é possível descobrir que, de uma forma tão antagônica como qualquer grande verdade, é justamente nesses momentos de maior vulnerabilidade, quando necessitamos de compreensão, que as mais valiosas relações de amizade se constroem ou fortalecem.

O escritor irlandês John O’Donohue, em seu livro The Book Of Love, lembra que a amizade verdadeira é a “que melhor reflete a tua alma”, aquela que traz o conforto da compreensão, uma das formas que o amor assume. “Quando você se sente compreendido, você está em casa. A compreensão nutre o sentimento de pertencimento. (…). O amor é a única luz que pode ler verdadeiramente a assinatura secreta da individualidade do outro”.

Talvez a mais vital forma de conexão, justamente por oferecer compreensão, a amizade pode não ganhar o valor que merece em um mundo que, cada vez mais, cultua as manifestações românticas do amor e amplia a definição da palavra amigo para muito além das relações significativas e engrandecedoras.

Para o escritor Andrew Sullivan, em Love Undetectable: Notes on Friendship, Sex and Survival, essa espécie de negligência da nossa cultura com relação à amizade, a falha no reconhecimento desse vínculo como instituição social crítica e como experiência moral enobrecedora, possivelmente se dá pelo fato de se desenrolar, quase sempre, de forma silenciosa e gradativa. Silêncio que se quebra quando sofremos a perda inesperada de um amigo. “Quando somos forçados a pensar sobre aquilo o que realmente importa é que começamos a considerar o que a amizade significa de verdade”, escreve.

Assim como nas relações românticas, esperar que um amigo compreenda todos os lados da nossa individualidade é sustentar a amizade sobre a delicada balança que traz a expectativa de um lado e a frustração do outro – um equilíbrio que depende mais do nosso próprio amadurecimento que dos acontecimentos externos.

A vantagem da amizade é que ela se distribui livre e levemente entre cada pessoa que, em determinados momentos e situações da vida, nos enxerga como realmente somos. Quando damos a esse amor o valor que ele merece, temos sempre um amigo que nos revela, sem precisar declarar, que explicações são desnecessárias: ele compreende.

 

leia também: Amar é um Aprendizado Constante

 

Michele Müller

27 setembro 2017

Contra a rigidez e o conformismo

“Eu me contradigo? Pois bem, então me contradigo. Sou amplo, contenho múltiplas dimensões”, escreveu Walt Whitman em um de seus mais aclamados poemas. Virgínia Woolf também nos coloca

Michele Müller

22 março 2018

Escreve-se não para explicar, mas para entender

O ato de escrever permite, ao mesmo tempo, a comunicação das infinitas narrativas construídas pela consciência e o acesso a esses mundos interiores. Nesse diálogo consigo mesmo e

Powered by tnbstudio