A plasticidade da mente e a mudança de hábitos, segundo Sêneca 

Por Michele Müller

Do livro Crabbes Historical Dictionary, 1825.

Sêneca não conhecia o funcionamento do cérebro, mas conhecia os movimentos do que chamava de “alma” humana. Não falava em termos de neurônios e de neurotransmissores, mas também não se referia a algo que se eterniza fora do corpo. O uso desse conceito decorre da falta de um vocabulário que retrate a complexidade de um sistema que, até hoje, não pode ser compreendido em um nível puramente biológico.

O fato é que muitas das informações que usamos como guia para compreender a mente e o comportamento, com a confiança de terem surgido das certezas da ciência recente, são mais confirmações que descobertas. A filosofia antiga traz inúmeros insights sobre como o cérebro funciona, validados por protocolos modernos.

Se hoje nos maravilhamos com a plasticidade cerebral e nossa enorme capacidade de adaptação, aprendizagem e mudança, Sêneca já abordava a fascinante maleabilidade da “alma” em uma reflexão feita há mais de dois milênios, em uma de suas Cartas a Lucílio. Ao compará-la a um líquido, nos confortava com a possibilidade de trocarmos hábitos prejudiciais, mesmo os mais cristalizados, por virtudes, em qualquer fase da vida. Afinal, o líquido se molda a qualquer recipiente, o cérebro a qualquer ambiente:

“A sabedoria só se obtém pelo esforço. Para dizer a verdade, nem sequer é necessário grande esforço se, como disse, começarmos a formar e a corrigir a nossa alma antes que as más tendências se cristalizem. Mas mesmo já empedernidas, nem assim eu desespero: com esforço persistente, com cuidados aturados e intensos, todas as más tendências serão vencidas. Podemos aprumar toros de madeira, por mais tortos que estejam; por meio de calor é possível endireitar pranchas curvas e adaptar sua forma natural às  nossas conveniências. Com muito mais facilidade se pode dar forma à alma, essa entidade flexível, mais maleável que qualquer líquido”.

Leia também:

Michele Müller

22 março 2018

Escreve-se não para explicar, mas para entender

O ato de escrever permite, ao mesmo tempo, a comunicação das infinitas narrativas construídas pela consciência e o acesso a esses mundos interiores. Nesse diálogo consigo mesmo e

Michele Müller

27 setembro 2017

Contra a rigidez e o conformismo

“Eu me contradigo? Pois bem, então me contradigo. Sou amplo, contenho múltiplas dimensões”, escreveu Walt Whitman em um de seus mais aclamados poemas. Virgínia Woolf também nos coloca

Powered by tnbstudio