A escuta atenta salva vidas

Por Michele Müller

Nancy havia tentado tirar a própria vida mais de uma vez e sua postura indicava que estava longe de desistir da ideia. Até o dia em que o psiquiatra da clínica de prevenção contra suicídio precisou atendê-la após um longo período sem sono e sem descanso. Com a percepção abalada pelo esgotamento, ele teve a sensação de estar vendo o mundo pelos olhos da paciente. E não era um mundo colorido.

George Housman Thomas: The Two Armandales

Essa experiência resultou em uma nova abordagem, mais próxima da perspectiva de Nancy, sem o julgamento da mente analítica. Ele mostrou que compreendia a gravidade da situação. Disse que se realmente desistisse da vida, ele sentiria falta dela, mas não a julgaria.

Assim que disse aquilo, se arrependeu: e se suas palavras fossem interpretadas como permissão? Mas naquele momento, a paciente o olhou nos olhos pela primeira vez e respondeu: “se você realmente consegue entender as minhas razões, talvez eu não precise me matar”. E assim, deram sequência à terapia que devolveu sentido à vida dela.

Nancy é o codinome da garota que mudou para sempre a forma como o psiquiatra americano Mark Goulston trata seus pacientes. A partir daquele episódio, ele percebeu que ouvir é diferente de perceber, de buscar uma conexão verdadeira a partir de uma escuta sem julgamentos.

Desenvolveu uma série de técnicas de comunicação que fazem com que outras pessoas se sintam verdadeiramente ouvidas e compreendidas. E estendeu esse conhecimento para além do consultório, com seu livro Just Listen (Simplesmente Ouça, em tradução livre), valioso a qualquer um que busca relações mais significativas e gratificantes – do mundo dos negócios ao núcleo familiar.

Em um cenário bem diferente das clínicas de prevenção de suicídio, outro homem salvou centenas de vidas usando o mesmo recurso: ouvidos interessados. O sargento Kevin Briggs, conhecido como guardião da Golden Gate, em São Francisco, encontrou formas eficazes de se comunicar com aqueles a quem, literalmente, estendia o braço.

Ao fazer perguntas e ouvir com atenção, impediu cerca de 200 pessoas de pular da ponte nas duas décadas em que trabalhou ali. Uma das táticas que ele intuitivamente usava para alcançar um nível maior de conexão com aquelas pessoas era tirar a jaqueta e vestir-se como elas: só de camiseta, mesmo em temperaturas muito baixas. E então, em meio à conversa, as convidava para uma bebida quente para que ambos pudessem se esquentar. Seus relatos estão em Guardian of The Golden Gate (O Guardião da Golden Gate).

São histórias que evidenciam: a escuta atenta é uma das formas mais eficazes de conexão. E por isso salva vidas. Somos tão dependentes de afeto quanto de alimentos e sono. Apesar de menos evidentes que as dores físicas, as dores sociais pedem buscas desesperadas por alívio.

Drogas de todos os tipos, lesões autoinfligidas, sono excessivo e, de forma extrema, o suicídio são sedutores convites para a fuga de um mundo que se mostra hostil e de uma realidade à qual pode parecer muito difícil de se adaptar.

Essa dificuldade está assustadoramente comum: em países desenvolvidos, o suicídio representa um risco maior para os jovens que qualquer doença física. Em todo o mundo, o número de pessoas que desafiam o instinto de sobrevivência para aliviar aflições geralmente incompreendidas cresce em índices alarmantes.

As causas podem não divergir de um único fator. Mas não podemos ignorar o peso do contexto social nessas tendências. Afinal, não se trata de um fenômeno homogêneo, mas extremamente suscetível a variáveis fáceis de identificar.

Ainda no final do século 19, o sociólogo francês Émile Durkhein analisou dados de diversos países europeus e percebeu a estreita relação entre a economia de uma sociedade e o suicídio. À medida que o país enriquecia, as taxas de suicídio aumentavam.

O individualismo resultante de uma sociedade que nos convence, desde cedo, de que o sucesso está ao alcance de todos e depende das nossas próprias escolhas seria, segundo ele, uma das consequências da modernidade que podem parecer penosas para muitos.

Em paralelo a essa carga de responsabilidade que carregamos sozinhos, somos expostos às inúmeras possibilidades de sucesso, representadas por valores extrínsecos, produtos e estilos de vida – sonhos e desejos que, ao parecerem tão acessíveis, eles nos fazem permanentemente insatisfeitos com o próprio desempenho quando não podemos tê-los.

As pressões sociais e o individualismo analisados por Durkhein encontram sua representação extrema na forma como hoje nos relacionamos. A carga que nos foi lançada em sua época, quando começamos a nos desprender dos grupos sociais para uma busca solitária ao novos conceitos de sucesso, passa a ser ainda maior quando as conexões são fragilizadas por uma comunicação ineficaz.

Em um estudo com 5 mil adolescentes de todo o mundo, promovido pela Vodafone em parceria com a Google, foi constatado que não existe uma delimitação clara entre o mundo real e o virtual e que 26% desse público sofre com pensamentos suicidas e se consideram “completamente solitários”.

Com as relações migrando para o ambiente virtual, as vidas editadas e aparentemente bem-sucedidas dos outros podem parecer um constante aviso sobre nosso fracasso. Especialmente na adolescência, quando a identidade está sendo moldada pelo grupo, quando se precisa, tão desesperadamente, de aceitação.

Em um mundo onde todos têm espaço para falar, mas poucos se mostram dispostos a ouvir, é natural nos sentirmos, por vezes, tão desconectados. Temos que nos lembrar – e lembrar nossos filhos – de que relações gratificantes não se formam nas redes nem se alimentam de ‘curtidas’: são construídas quando aprendemos a escutar atentamente e encontramos, em contrapartida, alguém que nos olhe nos olhos e nos ofereça consolo quando a felicidade parece tão possível e tão inalcançável ao mesmo tempo

Uma Resposta para “A escuta atenta salva vidas”

Michele Müller

28 dezembro 2017

Por que as escolas deveriam levar a música mais a sério

Não demorou muito para que as transformações vindas com o livre acesso à informação fossem ecoadas no sistema educacional, trazendo a necessidade de revermos muitos aspectos dos métodos

Michele Müller

10 maio 2017

Problemas psiquiátricos merecem uma abordagem abrangente e não devem ser comparados a doenças como diabetes

Uma série de pesquisas realizadas em diversos países europeus apontam que o foco nas raízes biogenéticas é uma forma inapropriada de combater a rejeição às pessoas que convivem

Powered by tnbstudio