Sobre a felicidade como objetivo

Por Michele Müller

Não nos contentamos com o necessário, perdemos noção do suficiente. Aprendemos que podemos ser quem quisermos, que tudo é possível, que todos limites podem ser expandidos. Mas é preciso tomar cuidado para que, nessa expansão, não percamos a felicidade de vista, ao lançá-la sempre para além do nosso alcance.

Para a escritora australiana Elizabeth Farrelly, ter mais e mais daquilo o que queremos – depois de ultrapassado o território da necessidade – não nos faz mais felizes, pois nos coloca em estado de eterna insatisfação. “Porque o desejo não é absoluto, a satisfação não é permanente e felicidade não é prazer”.

Felicidade é um subúrbio elegante onde, em um nível individual, vive-se de forma criativa, construtiva e generosa. Mas tente replicá-la em grande escala, transforme-a em algo sagrado, faça dela o objetivo de vida universal, cace-a como se fosse um animal selvagem e ela rapidamente assume uma forma flácida, inautêntica, pouco atraente e profundamente autossabotadora”.

Elizabeth Farrelly Autora de Blubberland: The Dangers of Happiness 

*tradução minha

Michele Müller

6 março 2018

Sobre a beleza das palavras

“A cada dia sou surpreendido por alguma palavra”, confessou Oliver Sacks ao seu companheiro Bill Hayes, autor de The Insomniac City: New York, Oliver and Me – um

Michele Müller

7 dezembro 2017

Emoções não devem ser renegadas ou condenadas, mas aceitas como transitórias

A divisão definida entre certo e errado, sofrimento e alegria, confiança e insegurança nos coloca em contradição e em um estado permanente de julgamento. As definições rígidas geram

Powered by tnbstudio