Michele Müller

22 Março 2018

Escreve-se não para explicar, mas para entender

O ato de escrever permite, ao mesmo tempo, a comunicação das infinitas narrativas construídas pela consciência e o acesso a esses mundos interiores. Nesse diálogo consigo mesmo e

Michele Müller

6 Março 2018

Sobre a beleza das palavras

“A cada dia sou surpreendido por alguma palavra”, confessou Oliver Sacks ao seu companheiro Bill Hayes, autor de The Insomniac City: New York, Oliver and Me – um

Michele Müller

9 Janeiro 2018

Beleza aprende-se a enxergar

Construímos nossa identidade a partir da forma como nos relacionamos com os outros e com o mundo e, portanto, somos moldados pelas mesmas forças contraditórias que sustentam as

Michele Müller

11 dezembro 2017

O propósito do amor não é eliminar as diferenças, mas aprender com elas

Ao descrever as complexidades de uma vida compartilhada, na autobiografia Hour Glass, a escritora americana Dani Shapiro parte das situações mais particulares para colocar o leitor frente a

Michele Müller

7 dezembro 2017

Emoções não devem ser renegadas ou condenadas, mas aceitas como transitórias

A divisão definida entre certo e errado, sofrimento e alegria, confiança e insegurança nos coloca em contradição e em um estado permanente de julgamento. As definições rígidas geram

Michele Müller

23 novembro 2017

Sem humor, perdemos o senso de realidade

Por fugir do óbvio e apresentar novas e surpreendentes formas de interpretar um determinado tópico, o humor é uma expressão de criatividade. Como define o neurocientista Rex Jung,

https://www.etsy.com/listing/45752652/anatomy-sketch-vintage-reproduction

Michele Müller

11 outubro 2017

A relação mente-corpo, segundo Virgínia Woolf

Antes de ser abordada de forma científica, a indissociabilidade corpo-mente inspirou muitas discussões filosóficas e reflexões literárias. A ilusória supremacia do intelecto sobre o fisiológico nas histórias foi

Michele Müller

4 outubro 2017

Isaac Asimov critica a aprendizagem forçada

Não existe, em algum laboratório, um cérebro-modelo com o qual os outros devam ser comparados para serem considerados normais. Esse princípio, defendido pelo psicólogo e escritor Thomas Armstrong,

Michele Müller

27 setembro 2017

Contra a rigidez e o conformismo

“Eu me contradigo? Pois bem, então me contradigo. Sou amplo, contenho múltiplas dimensões”, escreveu Walt Whitman em um de seus mais aclamados poemas. Virgínia Woolf também nos coloca

Michele Müller

24 agosto 2017

O conforto de ser compreendido

Sentir-se compreendido é diferente de se sentir respeitado. Respeito está entre os deveres, entre o que deve ser aprendido, ensinado e exercitado pela autoridade racional que controla as

Powered by tnbstudio