O domínio sobre a atenção no controle da ansiedade

Por Michele Müller

Harry Clarke: The year´s at the spring

É improvável que passemos um dia inteiro sem escutar uma música. Mas normalmente ela aparece como coadjuvante de situações sociais ou como estampa sonora de divagações e preocupações que nos acompanham no trajeto de casa para o trabalho. Apenas quando sentamos numa plateia, quando vencemos a força centrípeta gerada pelas ações que consideramos produtivas ou importantes, é que a música se transforma na atração principal daquele momento.

Impossibilitados de ceder às distrações que usualmente nos consomem grande parte do dia, ficamos entre duas opções: mergulhar no infinito e obscuro universo de possibilidades que a mente constrói incansavelmente ou, simplesmente, escutar. Sem buscar sentido, sem analisar ou julgar: apenas presenciar por inteiro as infinitas variações de como a vida pode se expressar. A recompensa disso não se molda com nenhuma combinação de adjetivos. É muito mais próxima do que chamamos de espiritual.

O contato íntimo com a beleza, em qualquer forma que ela se apresente, exige um ajuste na nossa percepção da realidade. Surge da capacidade de focar em um determinado estímulo e ignorar os concorrentes. Quando conseguimos calar outros processos cognitivos que disputam espaços na mente, geramos crescimento a partir da percepção. Sem a atenção, em sua forma mais plena, privamos os sentidos do prazer engrandecedor da entrega; reconhecemos beleza, mas não a sentimos, não a deixamos penetrar no espaço emocional.

A observação atenta pode ser entendida também como a capacidade de estar presente. A presença, em sua aparente simplicidade, guarda algo impalpável e abstrato que perseguimos com frequência nos lugares errados: “felicidade é estar no presente”, como definiu em Wisdom of Insecurity o filósofo Alan Watts, um dos grandes difusores do pensamento asiático no mundo ocidental. Estar presente é o requisito para perceber a vida de forma plena e deixar-se maravilhar por ela:

“Como o que sabemos do futuro é feito apenas de elementos abstratos e lógicos – inferências, palpites e deduções – ele não pode ser degustado, sentido, visto, ouvido ou desfrutado de alguma forma. Persegui-lo é como perseguir um fantasma que constantemente nos escapa e quando mais corremos para alcançá-lo, mais rapidamente ele foge. É por isso que a civilização corre apressada, raramente valoriza aquilo que tem e está sempre querendo mais e mais. A felicidade, então, consiste não em realidades sólidas, mas em algo abstrato e superficial, como promessas e expectativas”.

Sem conseguirmos nos livrar, ao menos de vez em quando, da angústia de sermos comandados pelo relógio e da pressão que representam os ideais que nossa cultura constrói (e propaga tão bem), acabamos ficando em um constante estado de alerta. Percebemos sinais de que atrás de alguma árvore pode haver um predador: o coração acelera, apetite, sono e respiração ficam alterados, causando uma sensação paralisadora de ameaça.

Estar no presente permite desligar a capacidade da mente de alertar para as infinitas possibilidades que podem estar nos aguardando. Nos devolve a tranquilidade de aceitar a realidade e o fato de não podermos ter o futuro sob controle. Aquieta a ansiedade e, dessa forma, nos coloca em contato com o fascínio – necessário para se encontrar confiança. Pois enxergar o mistério pode ser o mais próximo que podemos chegar do esclarecimento.

Muito antes do termo mindfulness ganhar popularidade no Ocidente, a psicóloga e pesquisadora Ellen Langer, do departamento de Psicologia da Universidade de Harvard, estudava o fenômeno da atenção plena. Quando a mente está presente, ela defende, nos tornamos sensíveis ao contexto. Mas não basta decidir estar presente: o domínio da atenção é uma habilidade que, como qualquer outra, precisa ser exercitada.

Começa com a prática de perceber. “A iluminação parte de processos muitos simples”, ensina o filósofo austríaco Rudolf Steiner, em O Conhecimento dos Mundos Superiores, obra em que apresenta formas de desenvolver a habilidade de se conectar ao que chama de “mistérios superiores da existência”. Conexão possível por meio de um processo meditativo – um conceito que na época ainda era considerado parte de um campo do ocultismo, restrito a poucos.

Steiner derruba essa ideia, mostrando que o treino da atenção plena, ou “iluminação”, como aborda – é acessível a todos e “procede da mesma forma que com todo o restante saber ou capacidade do ser humano”. Basta estar disposto e ter a paciência para desenvolver e despertar sentimentos e pensamentos latentes:

“O início se fará com a contemplação, de uma determinada maneira, de diversos seres da Natureza – por exemplo, uma transparente e bem-formada pedra (cristal), uma planta e um animal. Procure-se inicialmente dirigir toda a atenção à comparação da pedra com o animal, da seguinte forma: os pensamentos que para aí são dirigidos terão de atravessar a alma acompanhados de sentimentos vivos. E nenhum outro pensamento, nenhum outro sentimento poderão intrometer-se e perturbar a contemplação intensiva e compenetrada”.

Essa contemplação profunda pode ser direcionada a outros sentidos: para alguns, por exemplo, dirigir a atenção às informações sonoras do ambiente é o meio mais eficaz de alcançar o estado meditativo.

Trazer a mente para o presente envolve também o exercício da aceitação, outro conceito enraizado na filosofia oriental. Deixar de se apavorar com as possibilidades imaginárias depende da aceitação – e até da apreciação – do incerto. De acordo com Langer (em entrevista a Krista Tippett)

“Tudo muda e tudo se torna diferente a partir de outra perspectiva. Portanto, o estado inteligente de consciência seria de incerteza. Mas somos ensinados a procurar pelo absoluto. Temos a noção equivocada de que absolutos existem e que devemos conhecê-los. Mas o que acontece é que uma vez que você tem certeza de alguma coisa, você não presta atenção nela, não está presente para perceber as mudanças e perde oportunidades – seja no trabalho ou nos relacionamentos”.

Devemos lembrar que qualquer pergunta que nos fazemos mentalmente vem com todos os tipos de possibilidades – tanto negativas quanto positivas. Criadas e alimentadas pela mente ausente, essas presunções estão quase sempre erradas. Errar nas positivas pode trazer uma enorme frustração. Errar nas negativas – sempre as mais comuns e acompanhadas de evidências que construimos com maestria – nos coloca em constante estado de preocupação. Coisas ruins acontecem, mas é bom trazer à consciência que nossas temíveis previsões muito raramente correspondem à realidade e que, mesmo em momentos difíceis, o cenário imaginado pode ser muito pior que o evento real.

Quebrar a moldura do absolutismo e aceitar o incerto, tanto no campo individual como universal, requer reconhecer o que de fato está sob nosso controle e deixar fluir sem resistência aquilo que não está. Esse exercício de confiança na vida nos mantém atentos às necessidades de mudanças e evolução, nos ensina que diferentes pontos de vista são enriquecedores e nos permite um contato mais íntimo e realizador com as belezas que a ansiedade geralmente oculta.

 

Leia também: Beleza a gente aprende a enxergar

Contra a rigidez e o conformismo

Como lidar com a ansiedade gerada pelas relações virtuais 

Emoções não devem ser renegadas ou condenadas, mas aceitas como transitórias 

 

Michele Müller

13 Abril 2018

Estamos medicando a imaturidade?

Até o final da década de 90, a sigla TDAH, do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, era pouco conhecida fora da área da saúde e drogas

Michele Müller

10 Maio 2017

Problemas psiquiátricos merecem uma abordagem abrangente e não devem ser comparados a doenças como diabetes

Uma série de pesquisas realizadas em diversos países europeus apontam que o foco nas raízes biogenéticas é uma forma inapropriada de combater a rejeição às pessoas que convivem

Powered by tnbstudio