Sobre a felicidade como objetivo

Por Michele Müller

Não nos contentamos com o necessário, perdemos noção do suficiente. Aprendemos que podemos ser quem quisermos, que tudo é possível, que todos limites podem ser expandidos. Mas é preciso tomar cuidado para que, nessa expansão, não percamos a felicidade de vista, ao lançá-la sempre para além do nosso alcance.

Para a escritora australiana Elizabeth Farrelly, ter mais e mais daquilo o que queremos – depois de ultrapassado o território da necessidade – não nos faz mais felizes, pois nos coloca em estado de eterna insatisfação. “Porque o desejo não é absoluto, a satisfação não é permanente e felicidade não é prazer”.

Felicidade é um subúrbio elegante onde, em um nível individual, vive-se de forma criativa, construtiva e generosa. Mas tente replicá-la em grande escala, transforme-a em algo sagrado, faça dela o objetivo de vida universal, cace-a como se fosse um animal selvagem e ela rapidamente assume uma forma flácida, inautêntica, pouco atraente e profundamente autossabotadora”.

Elizabeth Farrelly Autora de Blubberland: The Dangers of Happiness 

*tradução minha

Michele Müller

11 dezembro 2017

O propósito do amor não é eliminar as diferenças, mas aprender com elas

Ao descrever as complexidades de uma vida compartilhada, na autobiografia Hour Glass, a escritora americana Dani Shapiro parte das situações mais particulares para colocar o leitor frente a

Michele Müller

27 setembro 2017

Contra a rigidez e o conformismo

“Eu me contradigo? Pois bem, então me contradigo. Sou amplo, contenho múltiplas dimensões”, escreveu Walt Whitman em um de seus mais aclamados poemas. Virgínia Woolf também nos coloca

Powered by tnbstudio